quarta-feira, 18 de setembro de 2019

Moreno de Engenho a Cidade - James Davidson






Adquira o livro Moreno de Engenho a Cidade de James Davidson entrando em contato pelo número (81) 98160-8953

segunda-feira, 22 de julho de 2019

Livros sobre Moreno



O município do Moreno conta com um número significativo de obras sobre a sua história, sua gente e sobre seus engenhos. Entre livros, folhetos e revistas, são vários os trabalhos que abordam o tema ou contribuíram para sua divulgação da memória da Terra de Baltazar. Vejamos os principais:

*    A Casa-grande do Engenho Morenos – Raimundo Paes Barreto: Título de matéria publicada na Revista do Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano, no ano de 1930. Traz uma descrição da casa-grande do Engenho Morenos, visitada por D. Pedro II em meados do século XIX.

*    Engenho MorenosJoaquim de Sousa Leão Filho: Publicado no ano de 1959 pelo diplomata historiador nascido no Engenho Morenos, conta a história do Engenho de sua família, desde suas origens até a época.

*    Dois Engenhos Pernambucanos Joaquim de Sousa Leão Filho: Matéria publicada na Revista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN – Volume 13, de 1956. Resume a história dos engenhos Morenos, Gurjaú de Cima e de Baixo.

*    O Barão de Vila Bela Joaquim de Sousa Leão Filho: Terceira obra do diplomata morenense, conta a história de Domingos de Souza Leão, o Barão de Vila Bela, com informações valiosas sobre a história de Moreno.

*    Moreno, Passado e Presente – Sevy Rocha: Esta obra nunca publicada conta a história do município do Moreno sob a perspectiva de quem conheceu os primórdios da cidade como educadora – A professora Severina de Almeida Rocha – Sevy Rocha.

*    História do município do Moreno – Sevy Rocha: Outro manuscrito de autoria de Sevy Rocha nunca publicado. Como o anterior, traz informações inédita e relevantes sobre os primórdios da Cidade do Moreno.

*    Memórias de uma Mestra – Sevy Rocha: É uma autobiografia da professora Sevy Rocha que traz muito da história da cidade durante a primeira metade do século XX.

*    Guia de Endereços e Telefones do Moreno – João Carneiro da Cunha: Lançado em 1976, além de ser uma lista telefônica da cidade, possuía um breve resumo histórico da cidade, embrião dos trabalhos que se seguiriam depois pelo autor.

*    Guia Histórico, Cultural e Informativo do Moreno – João Carneiro da Cunha: Lançado em 1978, foi o primeiro livro propriamente dito do autor, com várias informações históricas da cidade e do município em geral, fotografias de personagens e imagens da cidade.

*    Moreno 50 anos de Emancipação Política - João Carneiro da Cunha: Livro lançado em 1978 em comemoração dos 50 anos de emancipação política do Moreno. Além de vários textos sobre a cidade em geral, destaca vários fatos e pessoas que contribuíram para a Emancipação Política da cidade.


*     Memórias de um árbitro, treinador e dirigente de clubes de futebol - João Carneiro da Cunha: Lançado em 1983, foca inicialmente na história futebolística do município. Em uma segunda seção, denominada “Memórias de quem conhece a Terra da Gente” conta a história do município ao modelo dos trabalhos anteriores do autor.

*    Educação na Cidade dos Eucaliptos – Vera Lúcia Lopes: Lançado em 2009, conta a história da cidade do Moreno com foco na Educação do Município. Possui muitas fotografias antigas da cidade e entrevistas orais.

*    Moreno de Engenho a Cidade - James Davidson - lançado em 2019 pelo professor e escritor James Davidson. Traz um resumo da história do município bem como vários fatos e curiosidades como ruas antigas, fábricas pioneiras e fatos marcantes da história do Moreno.


sexta-feira, 5 de julho de 2019

Errata do Livro Moreno de Engenho a Cidade


Errata do Livro Moreno de Engenho a Cidade


Pg 21 – Onde se lê “As terras do atual município do Moreno ainda pertencentes ao município do Jaboatão, foi um dos locais.” Leia-se “As terras do atual município do Moreno, ainda pertencentes ao município do Jaboatão, foram onde essas mudanças mais se fizeram sentir.
Pg 27 – Onde se lê “que se realizado atravessara o município de norte a sul” leia-se “que se realizado atravessará o município de norte a sul.”
Pg 30 – Onde se lê “ao ex-edil morenense” leia-se “ao ex-edil morenense”.
Pg 38 – Onde se lê “Tendo suas primeiras casas sido construídas” leia-se “tendo suas primeiras casas construídas por essa indústria
Pg 41 – Onde se lê “Clube Manguerinha” leia-se “Clube Madureira”.
Pg 42 – Onde se lê “1940” leia-se “1950”
Pg 43 – No final da última linha onde se lê “as primeiras a ser” leia-se “as primeiras a serem
Pg 50 – Onde se lê “Assim nos traz está em seus escritos” leia-se “Assim nos traz em seus escritos”.
Pg 60 – Onde se lê “Quando então renúncia” leia-se “Quando então renuncía
Pg 89 – Onde se lê “cosias”, na penúltima linha, leia-se “coisas”.
Pg 90 – Onde se lê “Jaboatão, Sua Terra, Suas Gente” leia-se “Jaboatão, Sua Terra, Sua Gente”.
Pg 92 – Onde se lê “1° Morenense da Câmara” leia-se “1° Amanuense da Câmara”.
Pg 94 – Onde se “guisada”, na primeira linha, leia-se “gurisada”.
Pg 95 – Onde se lê “junto aos trabalhadores mais na moita do engenho” leia-se “junto aos trabalhadores na moita do engenho”.
Pg 105 – Onde se lê “governou por 7 anos  leia-se “governou por 6 anos”.


sexta-feira, 7 de junho de 2019

Lançamento do Livro "Moreno de Engenho a Cidade" James Davidson



Convite

Convido a todos morenenses e interessados para o Lançamento do Livro "Moreno de Engenho a Cidade" que acontecerá no próximo dia 05 de Julho, às 9:30, na Câmara de Vereadores do Moreno. Apoio: Prefeitura Municipal do Moreno.

quarta-feira, 7 de março de 2018

Rio Jaboatão na Cidade do Moreno


Por James Davidson




A partir de sua nascente, no município de Vitória de Santo Antão, o Rio Jaboatão adentra no município do Moreno em terras do Engenho Jussara, após percorrer alguns engenhos do município de Vitória. Tem início aí um longo percurso de cerca de 17 quilômetros em que o Rio Jaboatão atravessa o município do Moreno de oeste a leste, passando pelas sedes dos engenhos Jussara, Jaboatãozinho, Pintos, Pereiras e Morenos, adentrando em seguida na cidade. O rio deixa o município do Moreno em terras do Engenho Bom Dia, seguindo, daí em diante, em território do vizinho município de Jaboatão dos Guararapes.

No Engenho Jussara, forma o Rio Jaboatão várias corredeiras que são aproveitadas pela Compesa como pontos de captação de água para o Distrito de Bonança e para Cidade de Deus. Ali, ainda se conserva a Mata do Engenho Jussara, um dos últimos remanescentes de Mata Atlântica às margens do Rio Jaboatão.

No passado, a água do Rio Jaboatão era utilizada pelos engenhos na produção do açúcar. A força motriz do rio movia as moendas dos vários engenhos à sua margem, através de Rodas D'águas. Um dessas últimas rodas d'águas existentes até alguns anos atrás era a do Engenho Jaboatãozinho, que se localizava às margens do Rio. Porém, e infelizmente, foi levada por moradores para um ferro-velho em Bonança e destruída. Resta agora, em toda a bacia do Jaboatão, somente a roda d'água do Engenho Seva, situada às margens do Riacho Laranjeiras, um de seus afluentes. É um dos últimos testemunhos dos tempos faustos do açúcar no município.


De Jaboatãozinho, o Rio Jaboatão segue para o Antigo Engenho Pintos. Ali, a construção da Barragem no vizinho Engenho Pereiras fez com que a localidade ficasse abandonada. A perspectiva de inundação pelo lago da represa fez com que o Estado indenizasse os moradores, deixando o lugar um deserto. Destaque para o antigo Casarão do Engenho Pintos, um verdadeiro exemplar da arquitetura do açúcar, que será inundado. Assim, mais um local histórico para a memória do município ficará esquecido e submerso!


Mais adiante, o Rio Jaboatão atravessa as terras dos Engenhos Pereiras e Morenos, penetrando em seguida na Cidade, pelo Banho do Salu. Até então, o Rio vinha sofrendo apenas com algumas agressões oriundas da agricultura, como o uso de agrotóxicos e a destruição de sua Mata Ciliar. Porém, na Cidade, outros impactos começam a comprometer a água do Rio Jaboatão. Na comunidade da Galinha D'água, por exemplo, um esgoto a céu aberto deságua sem tratamento no Rio.


No Centro da Cidade do Moreno, uma pequena represa no trecho conhecido como "Tomada" marca o cenário do rio. Ali, a água do rio era utilizada para os serviços da Fábrica do Société Cotonnière. Atualmente, se encontra contaminada e tomada pelo lixo. Fica difícil imaginar que décadas atrás esse trecho era utilizado para o banho pelos moradores, principalmente na parte conhecida como "Poço da Nega".

Mais adiante, rio abaixo, podemos encontrar os mesmos problemas de esgoto e de lixo sendo despejados no rio. No bairro de N.S. de Fátima, podemos ver crianças tomando banho no rio, enquanto porcos descasam ao lado. Na ocasião, flagramos um comerciante local despejando resíduos de uma loja de aves no Rio Jaboatão. Também registramos crianças pescando no rio. Após o bairro de N.S. da Conceição, o Jaboatão segue para o Engenho Bom Dia, deixando o município do Moreno e seguindo por Jaboatão dos Guararapes.

Quais as consequências do tratamento que é dado pela cidade e seus moradores ao rio? Doenças, riscos á saúde e enchentes são os principais. Na grande cheia de 2005, por exemplo, o Rio Jaboatão transbordou invadindo as casas e destruindo as invasões em suas margens. A população carente, como sempre, é a que mais sofre!


E qual seria a solução para os problemas enfrentados pelo Rio Jaboatão na Cidade do Moreno? O que é preciso fazer para mudar o estado do rio? Que atitudes são necessárias para tornar o Rio Jaboatão em um rio limpo e saudável novamente? Essas perguntas somente serão respondidas se houver, antes de tudo, um redirecionamento na forma de tratamento que é dado ao rio pela Cidade. E para isso, além da realização de obras de saneamento básico, como a criação de uma rede de coleta de esgoto que atenda a toda a cidade e a criação de uma coleta seletiva e eficiente de lixo, é preciso que a população participe ativamente na recuperação do rio, não como mera expectadora, mas como membro participante e atuante dessa mudança. E isso só será possível com uma forte mediação do poder público em todas as esferas de governo, no sentido de não somente realizar obras de intervenção necessárias para recuperação do Rio Jaboatão, mas também inserindo a população no processo através da Educação Ambiental. É somente por meio da Educação Ambiental que poderá haver uma mudança de pensamento e de ações, passando a relação das pessoas com o Rio a ser harmoniosa e equilibrada. Assim, quem sabe um dia a Cidade do Moreno voltará a conhecer um Rio Jaboatão limpo e despoluído!

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Moreno em 1921

Por James Davidson



Encontrei num antigo Almanaque esta fotografia da Cidade do Moreno, na época distrito de Morenos, datada do ano de 1921. Na imagem é possível perceber a antiga fábrica de tecido de Moreno - Sociétè Cotonnière Belge Bresilienne - cujo nome ficava gravado na cobertura. A fotografia, provavelmente tirada do atual Alto da Liberdade, mostra o centro de Moreno, muito pouco povoado por sinal. A sede da prefeitura não existia, havendo apenas um terreno baldio. As casas ao lado desta, porém, já existia na época, como se vê no prédio onde funcionou o Bandepe (Banco Santander). Mo fundo, é possível observar casas nos atuais bairros da Pedreiras e da Mangueira, mostrando que aquele setor da cidade já era habitado no período. Destaque ainda para a pequena represa no Rio Jaboatão, cuja água ia para o serviço da fábrica de tecidos.

domingo, 5 de março de 2017

Terra Morenense

Por James Davidson

Nas muitas andanças pelo município do Moreno, fiz varias fotos de paisagens e locais importantes da história morenense. Por isso publico aqui uma amostra das principais imagens e seus respectivos locais.

Morro da Pedra Pelada - Engenho Buscaú

Casa do agente da estação Tapera - Bonança

Engenho Cumarú

Casa de Farinha - Engenho Carnijó

Rio Jaboatão - bairro N.S de Fátima

Matriz da Conceição

Casa-grande do Engenho Gurjáu de Cima

Paço Municipal

Engenho Novo da Conceição

Cambiteiro - Córrego dos caboclos

Engenho Una

Engenho Pocinho

Engenho Jussara

Fábrica do Engenho Jussara

Cachoeira Engenho Seva

Ruínas do antigo Povoado de Buscaú

Por do sol em Moreno

Engenho Caraúna

Bueiro do antigo Engenho Bom Dia

Rio Jaboatão

Engenho Catende

Cachoeira Engenho Brejo

Vista da Cidade do Moreno

Vale do Arariba - povoado de Massaranduba

Rio Jaboatão - bairro de N.S da Conceição

Morro Buscaú - torres da Embratel

Vila Operária

Engenho Pintos

Engenho Jaboatão

Engenho Pereiras

Engenho São Braz

Fábrica do Engenho Xixaim

Engenho Floresta

Roda do Engenho Seva

Capela de São Braz

Engenho Javunda
Vale no Engenho Contra-açude

Ruínas da casa-grande do Engenho Contra-açude